terça-feira, 12 de novembro de 2013


Capitulo 29

Todos assistiam animados, a corrida disputada por David e Alex. Os carros corriam disparados ao som alto de rock. Rebeca tentava recobrar o fôlego a cada volta.
- Aí David! Cuidado com a curva! – Alex debochou do outro carro.
David rapidamente virou o volante e desviou da curva por pouco. Rebeca quase paralisou com o susto.
- David para este carro! – ela gritou assustada.
Porém, ele não lhe deu ouvidos. Os dois veículos iam cada vez mais rápido na estrada. David sorria triunfante, estava na frente. De repente, ele começou a sentir o efeito da bebida, começou a sentir um grande sono, tentou ver a estrada, no entanto, sua vista começou a ficar embaçada. Sua concentração ficou turva. Foi fechando os olhos devagar. Abaixando a cabeça pesada, desmaiou.
- David?... David! – ela gritou vendo-o adormecido.
Ao ver que ele não acordava, começou a se preocupar. O carro avançava na estrada.
- Ai meu Deus! David acorda! Por favor! – ela pegou em sua jaqueta chacoalhando-o – David!
Ele não respondia. Rebeca não sabia dirigir e corriam rápido com o veículo. Ela não viu que estava indo de frente na direção de uma grande montanha.
- Esse cara é mesmo maluco! Ele vai bater naquela montanha! – gritou Alex surpreso atrás deles.
Rebeca olhou para frente, avistou o enorme morro. Em atitude desesperada, então, virou o volante com força para o lado. O automóvel desviou agressivamente da montanha, no entanto, escorregou na pista e bateu direto em uma árvore. Rebeca e David foram arremessados para fora. Caindo na estrada inconscientes.
Alex e seus amigos pararam e saíram surpresos do veículo. Viram que os dois estavam desmaiados no asfalto.
- Mais que droga! – falou Alex com raiva.
- A gente precisa socorrer eles cara! – disse o companheiro assustado.
- Claro que não idiota! A gente ia se entregar! – gritou Alex furioso -... Vamos dar o fora daqui antes que os policiais cheguem! – completou.
Eles saíram rapidamente. Deixando Rebeca e David feridos.
Enquanto isso, Pedro no clube, tentava ligar para Rebeca. Estava desesperado, pois fazia tempo que haviam ido e não voltavam. O telefone deu fora de chamada. O que será que teria acontecido com eles? Pedro se perguntava.
De manhã, Rebeca acordou, viu onde estava. Olhou aflita, mas por sorte David estava ali. Ainda desmaiado. Estava machucada. Mas nada comparado a ele. Chegou perto do rosto dele, para sentir sua respiração. Estava vivo.
- David acorda! – rebeca chamou, entretanto, pareceu não ouvir. Era como se estivesse longe.
“A gente precisa dar um jeito de sair daqui!”. Pensou ela. No entanto, ao ver seu celular, estava totalmente quebrado. Tinha que dar um jeito de levá-lo pro hospital.
O pai de Rebeca saindo do escritório mandou que a empregada chama-se Rebeca para o café.
- A senhorita não está senhor Paulo! – respondeu Suzana – parece que saiu com o namorado ontem a noite.
- Ligue para ela imediatamente! Diga que se não voltar agora mesmo ficará de castigo o resto do ano! – ordenou o pai de Rebeca furioso, não admitia tal comportamento.
David finalmente acordou. Olhou em redor, estava em uma sala de hospital. Rebeca do seu lado.
- Rebeca? – disse ele surpreso, com um pouco de dificuldade pra falar – o que aconteceu? – começou a exaltar-se.
- Calma!... Você... Dormiu ao volante e eu... Consegui virar, mas acabamos batendo. Por sorte não foi nada grave.
- Não... Rebeca... – David começou a se agitar – Eu não podia ter feito isso com você, não podia! – sentiu raiva de si mesmo, por tê-la machucado.
- Calma... A culpa não foi sua eu é que não deveria ter me intrometido! – ela falou complacente.
- Mas... Por quê?... Por que fez isso? – perguntou ele confuso.
- Bom – a expressão dela mudou de repente – você é um idiota, mas nunca vou esquecer que salvou a minha vida – ela disse e um pequeno sorriso de compaixão apareceu em seu rosto.
- Rebeca... - David sentiu uma forte dor no peito. Cerrou os dentes colocando a mão sobre o local da dor. Rebeca assustada tentou que ele se acalmasse - Me perdoa... – disse David pegando em sua mão – por favor, Rebeca...
Ela suavemente abaixou o rosto. Sentiu o calor das mãos dele sobre a sua. Sua expressão mudou para um tom sério.  Não soube o que dizer. Ela não podia perdoá-lo. Não podia. Olhou-o fixamente.
- Eu... - titubeou incerta.
David colocou a mão sobre o rosto dela. Ela olhou em seus olhos. Seu rosto machucado. Foram se aproximando um do outro. 

6 comentários:

  1. nossa que lindo to adorando aompanhar :)
    bjs

    ResponderExcluir
  2. adorei o cap esta cada vez melhor parabens
    bjs

    ResponderExcluir
  3. parabens pela criatividade a cada capitulo me surpreende!
    avisa qnd atualiza, ok ?
    bjs

    ResponderExcluir
  4. to amando essa historia e torcendo pra dar tudo certo:)
    viciei nessa web hehe
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Que linda historia!
    comecei a acompanhar agora mas ja to amando
    e adoro web novelas e essa com certeza e a melhor!!!
    seguindo ja!
    bjs

    ResponderExcluir