quarta-feira, 13 de novembro de 2013


Capitulo 30

Rebeca desviou o rosto de repente.
- Eu... Tenho que ir... – disse ela distanciando-se – espero que fique bem logo!
- Rebeca... Espera! – exclamou ele confuso.
- Tchau David! – ela respondeu com o rosto sério ao fechar a porta.
David correu atrás dela, no entanto, ao chegar perto da porta, sentiu uma forte dor no estômago. Encostou-se a parede colocando a mão sobre o local da dor.
Depois, Rebeca voltava para casa, quando deu de encontro com Pedro. Ele a abraçou forte.
- Rebeca... – disse ele desesperado – sabia que ia te encontrar aqui! – mudou a expressão - mas o que aconteceu? O que aquele idiota fez pra você?
- Calma Pedro! Não aconteceu nada! Eu to bem!
- Ele devia ser denunciado Rebeca! – gritou ele furioso distanciando-se dela.
- Não, por favor, Pedro!...- pediu ela - A culpa não foi dele, eu é que não deveria ter me intrometido!
- Não importa! – falou ele virando o rosto.
- Por favor, Pedro!... Prometa que não dirá nada!... Por mim! – pediu ela suplicante.
Ele desviou o olhar fixo.
No dia seguinte, no colégio, Raquel entregava os convites da festa de aniversario de Rebeca.
- Então, não percam a festa hoje heim!... Mas só entra quem tiver um par! – falou Raquel entregando os folhetos para as meninas.
Nicole ouvindo isso se aproximou.
- Falando assim até parece que tem um par! – disse cinicamente.
- É claro que eu tenho! Eu vou convidar o David! – respondeu Raquel triunfante.
- Que pena... Ele já me convidou! – provocou ela, porém estava mentindo – sinto muito! Acho que vai ter que convidar outra pessoa  – retirou-se com o rosto triunfante.
Raquel mal podia se aguentar de raiva.
Viviane conversava com Rebeca sobre a festa:
- E ai Rebeca? Está animada pra hoje?
- Estaria, se o presente do meu pai não fosse um mês de castigo! – disse rindo.
- O quê? Mas o que aconteceu? – Viviane perguntou surpresa.
Rebeca parou por um momento. Mas decidiu contar para ela.
- Eu sofri um acidente de carro... Com o David!
- O quê? – a outra falou assustada.
- É... Ele disputou um raxa e para impedir, eu entrei no carro, e acabamos batendo. Eu estou bem, graças a Deus não foi nada grave!... Mas prometa que não dirá nada! - olhou-a fixamente.
David, já em casa, pensava no que tinha acontecido. O jeito como Rebeca se arriscou para salvar sua vida. Tinha lhe dito que era apenas para lhe agradecer por tê-la salvo um dia. Porém, nos olhos dela pôde ver que havia mais do que isso. Sentia-se culpado por tê-la machucado. Olhou a garrafa perto da escrivaninha. Pegou-a firme com as mãos e olhou-a fixamente. “Isso quase matou ela!”. Pensou ele fixando a garrafa. Jogou-a com violência contra a parede, que  transformou-se em um milhão de estilhaços.
Na escola, Tomás conversava com Henrique quando Pedro chegou.
- Posso saber o que os manés estão conversando? – disse Pedro.
- Sobre como você ainda não conseguiu nada com a Rebeca! – provocou Tomás rindo.
- Pois fiquem sabendo que isso tudo faz parte do meu plano! – vangloriou-se ele – A Rebeca não é dessas, ela precisa saber que eu a respeito!... Mas vai acontecer hoje na festa! – completou sorrindo em tom confiante.
- É isso ai! – disseram os dois.
De repente, Raquel chegou para falar com Tomás. Pedro e Henrique percebendo a situação saíram rindo maliciosamente.
- E então? – perguntou Tomas para ela, interrompendo o silêncio entre eles.
- Eu não acredito que eu estou fazendo isso, mas... Quer ser meu par na festa? – perguntou ela séria, fazia isso apenas por que achava que não teria par, mas o odiava.
- Ah... Eu não sei... – falou Tomas fingindo estar magoado – o que você fez comigo...
- Ai, sabia que era uma má ideia! – exclamou irritada.
Ela ia retirando-s quando sentiu ela aproximar-se:
- Ei espera! Eu aceito ser seu par na festa!... Mas por uma condição: Que aceite ficar comigo!... É isso ou nada! – propôs ele.
Raquel estava sem saída.
Henrique andando pelos corredores pensava no que Tomás havia dito. “Se quiser que a Nicole caia na sua, ignore-a!”. Tinha que convidar alguém para o baile para fazer ciúmes em Nicole. Olhou Julia arrumando os livros no armário, se aproximou.
- Oi Julia... – disse ele e vendo que ela se virara – eu estava pensando... Quer seu meu par na festa?
- Eu não sabia que... – Julia respondeu confusa.
- Quer dizer... Como amigos! Sabe, já que você não tem par e eu também não... – disse Henrique nervoso, temendo que ela misturasse as coisas.
- Aceito... Claro! - ela respondeu com um sorriso simpático.
David tocava violão. Ao chegar ao meio das notas, já não se lembrava da melodia. E sim de Rebeca. Ela e seu rosto ao vê-lo no hospital. Pela primeira vez teve certeza, que ela sentia o mesmo que ele.
Pegou o celular decidido.
- Alô?... Nicole?... Eu estava pensando sobre a festa...

3 comentários:

  1. Olá, parabéns pela criatividade! E continue fazendo a Web Novela, eu adoro!
    Bom final de semana
    Beijoos ;**

    leitoraonline.blogspot.com.br

    ResponderExcluir