sábado, 16 de novembro de 2013


Capitulo 33

- Raquel?... Ainda está aqui?...Por que não foi com os outros?
- Estava esperando você! – afirmou a outra séria.
- Raquel... – começou Rebeca - Eu tenho que te contar uma coisa... - reclinou o olhar.
- Agora eu sei por que você disse pra eu ficar longe do David! – interrompeu-a Raquel.
- O que? - levantou o olhar assustada.
- Não precisa fingir!... – falou Raquel firmemente - Eu vi vocês juntos!
Rebeca ficou sem reação. Iria lhe contar, mas não queria que fosse desse jeito.
- Raquel... Eu posso te explicar... Não é do que jeito que pensa...
- Como foi capaz? – olhou para Rebeca fixamente – Sabia que eu gostava dele... Agora eu entendo... Por que fingia o odiar...
- Não, Raquel, você não entende!... – Rebeca tentava falar, mas estava tremendo – eu tentei ficar longe dele, eu juro! Mas...
- Eu não quero ouvir... Eu não quero ouvir nada que venha de você! – completou Raquel tentando retirar-se.
Rebeca a deteve.
- Raquel você tem que me ouvir!... Eu não te contei nada para não te magoar... Mas... As cartas não foram...
- Por favor, Rebeca! Já chega! ... – abaixou o rosto. Levantou com uma expressão fria – eu poderia até te perdoar pelo que fez, mas nunca por ter mentido pra mim!
- Não, Raquel – Rebeca tentou impedir que ela saísse – eu nunca quis fazer isso... Você é a minha melhor amiga!
- E você é uma traidora! – Raquel exibiu um ultimo olhar frio em sua direção. Saiu fechando a porta atrás de si.
Rebeca agarrada à porta, foi escorregando lentamente. Enquanto caiam as lágrimas.
Depois, deitada em seu quarto, não conseguiu impedir que mais lágrimas rolassem e encharcassem o travesseiro. Seu pai chegou perguntando pela festa. Ela enxugou o rosto rapidamente e disse que tinha sido ótima. Abraçou-o forte. Não queria que seu pai soubesse para não chateá-lo. Desde criança tinha sido assim, escondia sua dor para não preocupar seu pai. Escondia a saudade de sua mãe. Pois sabia que era doloroso para ele falar nisso. Sem saber, porém, que ele sofria do mesmo. Cada um cobrindo sua dor para poupar a do outro.
Após seu pai se retirar, pegou em uma gaveta fechada com cadeado na escrivaninha, uma foto velha de sua mãe. Abraçou o retrato com força. Tentando encontrar nele, algo de um carinho materno. Coisa que lhe foi roubada ainda muito pequena.
- Mãe... Queria tanto... Que estivesse aqui para me dizer o que fazer agora... – disse Rebeca olhando a foto.
A poeira se esvaiu com a lágrima que caíra.
No dia seguinte, na escola, Rebeca veio falar com Viviane:
- Vih, você viu a Raquel? Eu preciso falar com ela!
- Por quê? O que aconteceu?... – Viviane reparou em sua face – parece que andou chorando...
- Viviane, Raquel viu eu e o David juntos!...
- Mas como? – indagou-a perplexa – você disse que ia ficar longe dele...
- Eu sei, mas ontem na festa nós dançamos, eu corri pra sacada e ele se declarou pra mim... Nós... Nos beijamos!
- Ai meu Deus! Fui eu que disse pra ela que você estava lá! 
- Eu iria contar tudo... Só não queria que fosse desse jeito... – a expressão mudou – ...Eu terminei com o Pedro.
- Foi o mais certo Rebeca! Você não gosta dele! – falou Viviane.
- Eu me sinto muito culpada! Eu enganei as pessoas que mais gostavam de mim!... Espero que a Raquel me perdoe – Rebeca não pode esconder a dor que sentia por ter magoado sua amiga e a culpa.
No vestiário, após o jogo, Pedro pensava no que tinha acontecido. Tinha perdido mais uma vez para o David. Isso não podia suportar. Não entendia por que não conseguia sentir ódio de Rebeca. Talvez gostasse mesmo dela. Mas não importava, ela iria pagar por tê-lo feito de idiota. Os dois iriam.
Tomás, Henrique e todos do vestiário se ajuntaram para saber sobre a “grande aposta” que tinham feito.
- E ai Pedro? – começou Tomás – conseguiu a aposta?
Pedro olhou fixamente um ponto em específico. Levantou o rosto e sorriu vencedor.
- Mas é claro! 
- Aí! Esse é o Pedro que a gente conhece! – falou Tomás admirado, acompanhado pelos outros que ovacionavam Pedro.
- Eu disse, eu sempre consigo o que quero! – afirmou ele confiante.
- Então, a gente já pode te considerar oficialmente “o maior pegador da escola”! – riu Henrique.
David passando entrou no vestiário para pegar suas roupas. Quando pôde ouvir a conversa deles:
- Mas e ai Pedro, todo mundo tá curioso... Como foi com a Rebeca? Como ela é? – perguntaram seus amigos.
- Vocês sabem... Nada demais... – assegurou Pedro – nada que eu não tenha experimentado antes... – riu em tom perverso junto a todos.
David imediatamente se irou. Avançou em Pedro encostando-o com força contra a parede. Todos se assustaram ao ver a cena.
- Repete o que você disse! – gritou David o ameaçando – repete o que falou da Rebeca!

4 comentários:

  1. eu amei esse capitulo!!!
    tomara que essa novela nao acabe nuncakkkk
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Lindo!
    Gatinha tem vídeo novo lá no canal, corre!
    Canal: http://www.youtube.com/watch?v=GmDl9wwXyV4
    Blog: http://fasesdegarota.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir