quinta-feira, 12 de dezembro de 2013


Capitulo 52

Pedro pressionou seus lábios contra os de Raquel. Pega de surpresa, ela tentou afastar-se dele com as mãos, porém, ele se mostrava mais forte. Raquel sentiu-o muito perto do seu corpo, tocando sua pele. De repente, deixou-se se levar pelo sentimento que cresceu. Beijou-o de volta, respondendo ao impulso que sentira.
Pedro avançou com mais intensidade contra ela. Tentou se aproximar mais. Raquel sentiu-o recliná-la sobre a cama. Levantou-se afastando-o sobressaltada.
- Eu... Tenho que ir...- ela disse ofegante. Saiu rapidamente batendo a porta atrás de si.
Ele correu meio cambaleante até a direção dela, mas com tontura, acabou escorregando junto a porta, caindo de sono.
Rebeca chegando ao quarto desesperada, só conseguiu pensar em David. Pegou o celular aflita, as lágrimas corriam em seu rosto. Precisava dele. Precisava ouvir sua voz.
- David? Eu preciso falar com você - Rebeca disse em meio ao pranto.
- David? - respondeu Pâmela - ah... Desculpa Rebeca ele não pode atender agora!
- Pâmela? - Rebeca perguntou surpresa - o que está fazendo com o celular dele?
- Ele não te contou? - respondeu cínica - eu estou ajudando ele com o ensaio para a batalha das bandas...
Rebeca abandonou o telefone no chão. Caiu na cama em meio ao choro soluçante. Não podia acreditar no que estava acontecendo. Não sabia o que fazer, nem o que pensar. O celular de Raquel também não respondia. Acabou dormindo em meio a tudo.
A noite, seu pai entrou em seu quarto. Olhou-a dormir. Sentou-se ao seu lado.
- Não queria que soubesse... Não queria que sofresse por mim... - dizia consigo mesmo.
E pensar que não teria muito tempo de vida para vê-la crescer e desenvolver-se como mulher. Seu dever era lhe prover um bom futuro enquanto ainda estava ali. Não teve coragem de acordá-la. Fechou a porta em silêncio.
No outro dia, Pedro acordou atordoado. Sentia uma forte dor de cabeça e um imenso sentimento de culpa por ter bebido. Seu pai o chamaria de fraco. A empregada entrou para servir o café. Ele perguntou pelo seus pais, ela respondeu que não estavam. Eles nunca estavam. A empregada, então, lhe perguntou o motivo de Raquel ter saído correndo do quarto dele.
De repente, Pedro se lembrou do que tinha acontecido. Raquel tinha vindo vê-lo.
David olhou seu celular e viu quatro ligações perdidas de Rebeca. Achou estranho não ter visto. O que ele não sabia, é que Pâmela tinha pegado enquanto ele ensaiava. Ficou preocupado com Rebeca. Ligou para ela, porém não respondia. O que teria acontecido?
Raquel veio a casa de Pedro, pois eles eram parceiros no trabalho de química. Havia indagado a si mesma mil vezes se deveria ir até lá. Sabia o que havia sentido na noite anterior. Mas perguntava-se se ele teria sentido o mesmo. No fim, a curiosidade e vontade de vê-lo acabaram vencendo.
Ele abriu a porta envergonhado. Vestiu uma camisa rapidamente. Raquel lhe deu um sorriso tímido.
- Me desculpa... Eu não tinha me lembrado do trabalho! - ele explicou-se.
- Não tem problema - respondeu ela simpática entrando no quarto - está melhor?
- Claro... - disse tímido - me desculpa Raquel por ter te feito vir aqui...
- Tudo bem!... Não tem problema...
Sentaram-se na cama.
- Eu... sou um idiota! - Pedro baixou a cabeça com raiva - sabendo que meu pai odeia essas coisas... Eu sou um perdedor!
- Você não é um perdedor! - ela contestou - não importa o que seu pai disse! Só não pode tentar resolver seus problemas com a bebida! Não vai te levar a nada!
Pedro sorriu. Pela primeira vez, alguém não o criticava.
- Aconteceu... Algo entre a gente? - Pedro perguntou intrigado. Lembrava-se muito pouco da noite passada. Raquel tremeu. Ele a interrompeu - olha... Eu estava muito bêbado ontem a noite... Não foi a minha intenção...
- Não... não aconteceu nada! - Raquel mentiu constrangida. E com certa decepção na voz.
- Eu não aguentei ser rejeitado pela Rebeca!... Eu não consigo parar de pensar nela...
Raquel teve um choque. Ele não se lembrava. E estava apaixonado pela Rebeca. Se sentiu uma idiota por pensar que poderia ter rolado sentimento entre eles. Levantou-se bruscamente. Despediu-se com uma desculpa de que não estava bem. Pedro viu-a sair sem entender.
David chegou ao quarto de Rebeca pela janela. Ao vê-lo, Rebeca aproximou-se dele, abraçando-o forte. David não entendeu o que estava acontecendo.
Ficaram alguns minutos em silêncio, abraçados.
Ele olhou-a preocupado.
- Rebeca... O que aconteceu? - ele a indagou fixando seus olhos atentos.
- Meu pai... - ela jogou-se sobre ele em prantos - David, meu pai...
Ela contou-lhe tudo com calma. Sentindo sua dor ele a envolveu apertado em seus braços. Depois, ficaram sentados na cama dela. Rebeca repousava sobre ele. Se sentia segura. A salvo de todos os problemas que a cercavam.
David a viu cerrar os olhos em meio as lágrimas cada vez mais lento, e dormir sobre ele.

4 comentários:

  1. Eu amei o capitulo muito lindo!!!
    beijos

    ResponderExcluir
  2. fiquei com muito dó da Raquel
    to amando a historia esta muito linda!!!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. muito boa a web
    estou correndo pra ler os outros capitulos pra entender esse hehe
    bjs

    ResponderExcluir
  4. só quero ver os proximos!
    to adorando...

    ResponderExcluir