quarta-feira, 8 de janeiro de 2014


Capitulo 71

Sheyla ia para a casa de David quando avistou um homem vir em sua direção.  Ele parecia conhecido para ela. Mas não sabia de onde. Ao vê-la ele logo se apressou. Saiu a deixando intrigada.
A mãe de Pedro bateu na porta de seu quarto.
- Filho tenho que falar com você sobre sua namorada Raquel! – ela entrou rapidamente.
- Mãe... Também tenho que te falar uma coisa sobre isso! – ele levantou-se da cama inquieto. Queria dizer a verdade à mãe, já que estava cada vez mais próximo de Rebeca.
- Depois meu filho, primeiro eu quero dizer que seus tios ficaram realmente encantados com ela! – sua mãe afirmou contente – vimos que ela possui pais bastante ricos e distintos...
- Que bom mãe, mas... – ele tentou falar.
- E seu pai... – ela o interrompeu sorrindo – simplesmente a adorou!
Pedro, então, se surpreendeu ao ver que pela primeira vez seu pai aprovava uma atitude sua, mesmo que não sendo verdadeira. Pela primeira vez não seria um perdedor diante dele.
- A proposito – ela continuou – quero que a chame para um jantar aqui em casa! – saiu em direção à porta. Sem nem mesmo lembrar-se de que seu filho queria falar-lhe.
Pedro não queria continuar a mentir para sua família, mas seus pais finalmente o estavam valorizando. Tudo graças a Raquel. Decidiu manter isso por mais um tempo até que Rebeca aceitasse ser sua namorada.
David se despediu dos seus amigos.
- Quando isso tudo passar e a gente conseguir sair daqui, a gente se vê na Espanha! – Sheyla afirmou o encarando.
David tentou esconder o que estava sentindo. Saiu sério em direção à porta. Odiava despedidas.
Sheyla nunca sentiu tanto ódio de Pamela, pois sabia que isso tudo tinha sido culpa dela.
Rebeca pensava sobre o que Julia tinha dito. David ia embora logo. Como queria esquece-lo de uma vez. Mas quando fechava os olhos em meio a lagrimas só conseguia vê-lo, sorrindo para ela como sempre fazia quando a via, ou quando queria provoca-la.
De repente, slash apareceu colocando as pequenas patas sobre a cama pedindo colo.
- Não adianta vir com esses olhinhos pidões que eu não vou cair nessa! – ela o repreendeu.
Ele latiu choramingando. Rebeca então acabou cedendo e o pegando no colo.
- Quem é que pode resistir a você, hein? – ela o levantou a altura de seu rosto o encarando carinhosamente. Porém, quando veio-lhe a mente a memória de David, abaixou os olhos de tristeza.
Ouviu de repente, um forte barulho que veio da escada. Saiu do quarto apressadamente e encarou assustada, seu pai caído no ultimo degrau. Ela desceu a escada desesperada. Agachou-se perto do corpo dele. Sentiu seu coração. Felizmente estava respirando, mas parecia inconsciente.
- Suzana! – ela gritou pela empregada – Suzana! Chame a ambulância!
Ela desesperava-se deitada sobre ele. Slash latia inquietante. A empregada saiu correndo da cozinha, ao olhar a cena, levou as mãos a boca.
- Suzana – Rebeca pediu em meio as lágrimas – por favor, chame a ambulância o mais rápido possível!
Enquanto isso, David saia com o carro pela estrada. Não conseguia evitar que Rebeca aparecesse em seus pensamentos. Agora já era tarde. Iria embora. E ela ficaria em seu passado. Mas sabia dentro de si, que para sempre permaneceria em seu coração.
Num instante, lágrimas inundaram seu rosto sem pudor. Não. Não iria esquecê-la. Mas ela sim, nunca mais iria querer vê-lo. O que fez não merecia perdão.
Inesperadamente, uma luz o cegou de imediato. Era um caminhão vindo em sua frente. Ele conseguiu desviar bruscamente do caminho, porém ao tentar usar o freio para não bater, ele não obedeceu. O carro acelerava em alta velocidade e não respondia aos comandos dele. Avançou com força atravessando a cerca da estrada e caindo no penhasco.

3 comentários:

  1. Nossa que final ai meu Daus...
    Muito ansiosa pelo proximo capitulo!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Oi Erika uma maravilhosa noite para vc,
    http://crismandarini.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela webnovela, você escreve bem!
    Beijos, Cyn.
    http://ograndetalvez.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir