quinta-feira, 3 de abril de 2014


Capitulo 131

Pedro olhava para o celular mais uma vez. Porém, não havia recebido nada.
As palavras de Raquel não saiam de sua mente. Mas não tanto quanto o rosto de Rebeca.
Ouviu sua mãe entrar.
- Filho... Está acordado? - perguntou cautelosa.
- Sim... - respondeu em tom de devaneio.
- Eu só queria saber se está tudo bem, você não foi jantar hoje!
- Eu estou meio cansado, só isso! - exclamou disfarçando.
- É essa garota Rebeca não é?... Você a ama filho?
- Sim... - ele parou por um momento. Os olhos desviaram-se - ...sim...
- Me desculpe filho, por ter pensado que a Raquel fosse sua namorada, é que eu sempre achei vocês perfeitos um pro outro, o jeito que ela te olhava... Bom, mas se você não sente nada por ela, eu vou respeitar sua decisão! - falou em tom maternal - Boa noite! - levantou-se retirando-se.
- Boa noite mãe! - sorriu ele sem vontade. Os olhos baixaram.
Chegou o dia do julgamento. Sr. Paulo estava na sala do tribunal quando observou sair senhor Sérgio. Os dois cumprimentaram-se discretamente de longe. Paulo sabia que seria um julgamento difícil, pois não possuía testemunhas relevantes contra Sérgio.
Quando estava sozinho na sala, então, observou David entrar.
- Ah! Senhor Martins! Veio assistir o julgamento?... É por ali... - avisou rispidamente sem desviar os olhos dos papeis.
- Não senhor... - David aproximou-se calmamente - eu vim pra testemunhar contra meu pai!
Paulo levou um choque.
- Então quer dizer...
- Sim! Eu vim fazer a coisa certa! Eu disse que não faltaria com a minha palavra e de qualquer jeito eu pagaria! - respondeu o rapaz com firmeza.
- Sabe... Li sobre o que aconteceu nos jornais e Rebeca me disse que Carlos tentou matá-los!
- Senhor, juro que a minha intenção nunca foi colocar a Rebeca em perigo!
- Não precisa explicar, minha filha contou-me tudo! - explicou Paulo.
David abaixou a expressão.
- Felizmente... Meu pai levou a bala pra nos salvar... - falou com dor.
- E mesmo assim falará contra ele? - o senhor o encarou incrédulo.
- Sim!... Meu pai me pediu e eu estou decidido que é o que devo fazer! - completou firme.
De repente, Sr. Paulo pôde perceber a nobreza e caráter presentes em David. E soube nesse exato instante, porque sua filha havia apaixonado-se por ele.
- Muito bem, quando eu chamá-lo... Venha até a sala! - avisou Paulo se retirando, ainda admirado.
O julgamento havia começado. Sérgio esperava tenso por sua sentença. Quando foi chamado para responder as perguntas de Paulo, como advogado de acusação, respondeu com verdade a todas as suspeitas e ainda denunciou com coragem seu sócio.
David foi chamado. Respirou fundo. Olhou para o pai que permanecia sério. Lembrou-se de Rebeca ''eu sei que é difícil... Mas tem que fazer a coisa certa!".
O juiz dirigiu a ele algumas perguntas. Ele contou tudo o que viu.
Após, Sr. Paulo mandou que ele espera-se em uma sala reservada, pois logo sairia o resultado.
David sentou-se aflito. Seu pai poderia sair, ou ser condenado a anos de prisão. Elevou as mãos ao rosto. Estranhamente sentia-se livre. Pela primeira vez não carregava aquela presença atrás de si, aquele passado do qual estava sempre tentando escapar. Finalmente, havia enfrentado seus medos, nem todos porém.
Ouviu alguém mandá-lo voltar. O juiz anunciaria sua escolha. Todos assistiam estáticos. O juiz logo tomou a palavra:
- O ministério publico denunciou no presente processo, o réu Sérgio Martins Nunes aqui presente, como incurso no artigo 257 do código penal pelo crime de desfalque de dinheiro. Uma quantia somada em 132 milhões de reais...
Sérgio tentou segurar a angústia, enquanto David assistia a tudo. Sr. Paulo esperava em tom sério.
- Submetido a julgamento foi o acusado Sérgio Martins Nunes condenado a treze anos de prisão e remissão de uma multa a empresa! - o juiz bateu o martelo.
Sérgio obteve um movimento de alivio. Foi levado pelos guardas. David, então, caminhou entre a desordem de pessoas e jornalistas e o abraçou.
- Pai.... - falou ele abraçado ao senhor.
- Me orgulho de você filho... - Sérgio arfou entre os ombros dele.
Nada o poderia satisfazer mais que o perdão do filho.
Sr. Paulo que recebia as congratulações dos colegas, olhou a cena estático.
Sérgio foi levado então preso.
Rebeca continuava em casa a esperar pela volta do pai. Nada aparecia na tv com a noticia.
Finalmente ouviu seu pai entrar na sala. Veio rapidamente ao encontro dele.
- E então... Como foi o julgamento? O Sérgio foi condenado? - ela perguntou angustiada.
- Sim! - sentou-se ele - a treze anos de prisão!
- Ah não! Imagino como David via ficar ao saber! - ela exclamou desconsolada.
- A verdade filha... É que David ja sabe! Foi ele que testemunhou contra o pai!
Rebeca surpreendeu-se.

3 comentários:

  1. Que pena do pai do David eu achei ue ele ia ficar livre!
    eu to adorando acompanhar!
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Amei o capitulo!
    Achei linda a pagina do facebook, ja curti!
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Achei que o sergio ia ficar livre, mas ele tinah que pagar pelo crime dele!
    To achando otima a historia, parabens!
    beijos

    ResponderExcluir